quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Auscultando...

AUSCULTANDO...

JOTA NIL
(Tácito Silveira da Mota)

Eu vejo o que me rodeia:
as flores, o céu azul,
o sol claro que incendeia
as montanhas, a taful

borboleta em voluteios;
eu oiço o queixar da brisa
nos arvoredos, anseios
na meia-luz indecisa

do ocaso; e pressinto o amor
que palpita em todas coisas...
auscultando minha dor.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Impressão

IMPRESSÃO

JOTA NIL
(Tácito Silveira da Mota)

Ontem, quando esperava por você,
por sinal que fazia muito tempo,
- numa crescente inquietação,
não sei mesmo por que
motivo fosse,
tive a impressão,
em meu contentamento
quando você chegou,
do sol aparecendo num deslumbramento
de luz e vida, dentre as nuvens que deixou...

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Cromo

CROMO

Jota Nil
(Tácito Silveira da Mota)

- E as chuvas pesadas
passaram, e um sol
forte iluminou a face
da terra!
- As lágrimas copiosas
se enxugaram, e um
sorriso lindo iluminou
o seu rosto.

domingo, 23 de dezembro de 2018

Trem de Ramal

TREM DE RAMAL

JOTA NIL 
(Tácito Silveira da Mota)

Alguém na gare do brado forte alteia!
"Lá vem ele", repete a multidão
apressada. E tal como um rio na cheia,
se escoa a massa humana em confusão.

Alvoroço, atropelo. A mole ondeia
entre pacotes, malas, um colchão!
E o trem de ferro, lerdo, se aperreia
num baque surdo, junto à estação.

Despedidas vulgares. Empurrado...
Alguém pragueja rijo. Ouve-se um grito!
E depois... um silêncio emocionado.

Alguns cabritos saltam o barranco.
Um estrídulo e prolongado apito,
e o comboio estraleja num arranco.

Agosto de 1948

domingo, 16 de dezembro de 2018

Egoismo

EGOISMO

Jota Nil
(Tácito Silveira da Mota)

Quando me canso de sofrer
nesta vida,
eu quase sem querer
começo a blasfemar, querida;
e não percebo o seu olhar pousando em mim,
qual um anjo de célica doçura,
que estivesse velando, muito triste,
por minha salvação;
e não vejo, também,
o bálsamo de sua ternura
tremeluzindo em uma lágrima
encantada, provinda de seu coração!

terça-feira, 27 de novembro de 2018

O melhor beijo

O MELHOR BEIJO

Jota Nil 
(Tácito Silveira da Mota)

Certa vez...
cobicei um botão de flor,
de rosa, já se vê,
que se entreabria lindo e perfumado,
oferecido à minha tentação...
Colhi-o.
E sob minha adoração
egoísta ele ficou até murchar!

É por esse motivo
que não posso mais te beijar...
Eu lembro do botão de flor
que murchou, tristemente, em minha mão...

E, nos beijos de amor,
querida, quase sempre
o melhor beijo...
é o que ficou em tentação...

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Ingenuidade

INGENUIDADE

Jota Nil
(Tácito Silveira da Mota)

Você diz coisas perigosas
com tanta ingenuidade,
a graça,
que, ditas por você,
se tornam deliciosas.

Você ja reparou, alguma noite,
na mariposa entontecida,
voluteando teimosa
uma luz, uma chama?
Ela é como você...

No seu encantamento, um dia,
cega, sem ver e sem pensar,
na loucura da luz,
numa doida alegria
ela irá se queimar...

Auscultando...

AUSCULTANDO... JOTA NIL (Tácito Silveira da Mota) Eu vejo o que me rodeia: as flores, o céu azul, o sol claro que incendeia ...